Amor com Humor

Para o cowboy

Meu John Wayne particular e exclusivo,

sabe que você fica lindo quando veste aquelas calças pretas e justinhas que deixam sua bundinha arrebitada? Juro que, agora, que já estou acostumada, fico a me imaginar como uma donzela prestes a ser raptada pelos peles-vermelhas, mas no início achei muito estranho.
Afinal, dava vontade de te perguntar: - meu bem, por que o seu chapéu é tão grande? - com medo da sua reação, pensava melhor e ficava calada. Depois, vinha-me o desejo de perguntar outra vez: - meu bem, por que a ponta da sua bota de pele de avestruz é tão dura? - mas, recatada, também optava pelo silêncio...
Outro dia, sozinha mas morrendo de saudades de você, comecei a pensar que estava mesmo sendo seqüestrada por um terrível chefe índio e imaginei você chegando para me salvar: você vinha garboso, montado num belo cavalo negro, com um lenço de seda ao pescoço e esporas reluzentes nas botas... Nesse momento, o sonho foi interrompido, pois eu fiquei sem saber o que faria na hora em que sentisse aquela sua fivela enooooorme (!!) encostada em meu ventre, no instante do resgate.
Meu amor, meu cowboy obstinado e corajoso, só te peço uma coisa: quando você, por um lapso qualquer, estiver um pouco mais romântico, deixa eu escolher a trilha sonora para o nosso happy end, pois meus ouvidos já não agüentam mais as vozes dessas duplas que mais parecem bandos de coyotes em noite de lua cheia.
Mas venha, venha logo. Deixe de rodeios. Pegue o seu cavalo (ou deixe-o por aí mesmo e venha de carro, que é mais rápido) e faça-me sentir a mais desejada das donzelas. E, por favor, tenha pressa para chegar e nenhuma para sair, pois vou fazer com que você sinta o alívio balsâmico das minhas mãos a percorrer suas assaduras (ou melhor, a sua pele, tão maltratada por horas de galope ao sol!).
Só mais um detalhe: nesta sua vida, repleta de saltos e aventuras acrobáticas, tudo acaba em apenas oito segundos. Garanto-lhe que não tenho essa pressa toda! Vê lá, hein?

Um beijo da sua
(assinatura)